BIOLOGICUS FORUM

Forum de Estudantes de Biologia da Universidade do Porto


Um 'martelinho amarelo' que canta

Compartilhe
avatar
Varicela

Número de Mensagens : 853
07122009

Um 'martelinho amarelo' que canta

Mensagem por Varicela

http://dn.sapo.pt/inicio/ciencia/interior.aspx?content_id=1440356&seccao=Biosfera

Vulnerável
Um 'martelinho amarelo' que canta
por MARIANA CORREIA DE BARROSOntem

Pode ser observada no extremo norte do País nos meses mais quentes. Mas não se sabe onde passa o Inverno. O fim da agricultura tradicional e o uso de pesticidas são a maior ameaça para a escrevedeira-amarela, uma pequena ave quase desconhecida em Portugal

O piar característico levou os ingleses a chamá-lo familiarmente de yellowhammer (martelinho amarelo). Mas em Portugal este pequeno pássaro, de penugem amarelada, é quase um desconhecido. Só no extremo norte português, onde a ave nidifica a partir da Primavera, se ouve o seu canto. Para onde voa nos meses mais frios? É uma incógnita.

Estudos europeus revelam que não é uma espécie migradora. No Centro e Norte da Europa, zonas onde tem uma distribuição mais vasta e homogénea, é residente. Passam o Inverno na mesma zona onde nidificam ou fazem pequenas migrações, de curta distância. Em Por- tugal, criam os seus ninhos em altitudes elevadas, entre 900 e 1000 metros, e "provavelmente no Inverno descem para terras mais baixas, dentro da mesma região. Mas é um movimento ainda pouco conhecido", explica Gonçalo Elias, coordenador do portal Aves de Portugal e que faz observação de aves há mais de 20 anos.

Sabe-se que os indivíduos chegam à região do Barroso (onde têm maior representação) e zona de Melgaço no final de Março, começam a preparar os ninhos em Abril e ficam até princípios de Outubro. Depois desses meses não há registos.

Há observações esporádicas na Beira Alta, Beira Baixa, e até na Estremadura, ao pé do estuário do Sado. "São zonas onde não há ocorrência regular durante o Inverno. Mas podem ser vistos indivíduos perdidos que provavelmente seguiram numa direcção diferente." Houve em 2005 um caso isolado, de 36 aves que foram observadas na região de Chaves durante o Inverno, no entanto, de acordo com Gonçalo Elias, "podem ter vindo da Galiza". Nunca se chegou a conhecer ao certo a sua origem.

Os primeiros dados históricos da presença da espécie em Portugal remontam ao início do séc. XX (nos anos 20 e 30) exactamente na região do Barroso. Pelo seu pequeno ta-manho, a escrevedeira- -amarela é uma ave de difícil recenseamento. As estimativas populacionais publicadas em 1996 no Atlas das Aves do Parque Nacional da Peneda-Gerês apontam para os 250 a 350 casais naquela que é a sua principal zona de ocorrência. Fora do parque, de acordo com estudos do Instituto de Conservação da Natureza e Biodiversidade, existe uma população quase equivalente, no máximo de 250 casais. Estes números representam assim uma fracção muito reduzida quando comparada com as estimativas europeias que andam entre os 15 e os 25 milhões de casais. "Estamos no limite da distribuição da população, que tem maior expressão na Europa Central e do Leste."

Em Portugal, a espécie foi considerada "vulnerável" no Livro Vermelho dos Vertebrados, "justamente por ter uma população reduzida". A nível europeu, é considerada "não ameaçada", embora um estudo da BirdLife, publicado em 2004, aponte para o rápido declínio nas últimas décadas. No Reino Unido, a escrevedeira-amarela foi classificada como "ameaçada" porque houve, entre 1970 e 2003, um declínio de 54% no número de casais.

As ameaças estão relacionadas com a destruição dos terrenos agrícolas e matas, e o uso intensivo de pesticidas, que reduzem a disponibilidade de alimento (sementes e pequenos insectos) de que a escrevedeira-amarela se alimenta.

A maioria dos registos da espécie em Portugal é feita por observação. "O Parque da Peneda-Gerês tem realizado algumas campanhas de anilhagem", diz Gonçalo Elias. "As aves são capturadas com re-des colocadas no meio da vegetação e depois põe-se uma anilha de metal que tem uma sequência de números na pata. Assim, quando a ave volta a ser recuperada é possível extrair informação sobre a sua longevidade e as suas movimentações", explica. Mas com o fim da agricultura tradicional, Portugal corre o risco de ver desaparecer uma das suas aves menos conhecida.
Compartilhar este artigo em: BookmarksDiggRedditDel.icio.usGoogleLiveSlashdotNetscapeTechnoratiStumbleUponNewsvineFurlYahoo!Smarking


    Data/hora atual: Sab 25 Nov 2017, 11:13